PontoZurca

LATEST NEWS

PIERRE ADERNE | RUA DAS PRETAS estreia na SIC Notícias

A SIC Notícias estreia a 11 de Junho ( Sábado) “Rua das Pretas”, uma série de 13 episódios gravados no Rio de Janeiro, em Lisboa, em Paris e Varsóvia.

Apresentado e realizado por Pierre Aderne, em conjunto com Tito Gonzales Garcia, a série liga as quatro cidades e os dois continentes através da música e de pessoas, numa viagem que mistura culturas, descobre lugares, revela vivências, partilha canções, improvisos, conversas casuais entre artistas, cantores e compositores, violinistas e guitarristas e quem mais se quiser juntar a esta tertúlia, informal, intimista e universalista.

A viagem de Pierre Aderne e dos seus “amigos saltimbancos” começa na Serra dos Órgãos, no Rio de Janeiro, no ateliê do pintor brasileiro Gonçalo, em pleno coração da mata atlântica.

A seguir, regressa ao seu porto lisboeta, onde encontra a sua amiga Lúcia Moniz para depois seguirem juntos para Paris e Varsóvia.

RUA DAS PRETAS estreia dia 11 na SIC NOTICIAS, temporada de 13 semanas sempre aos sábados a noite com repetições às quartas 13:30.

Mistura Áudio | Sérgio Milhano PontoZurca

MARAFONA | Junho é mês de Estreia, Santos e Marchas Populares

Do álbum Está DitoMARAFONA apresenta a Improvável Toponímia da Marcha Popular, que conta com a participação de Mitó e Ana Bacalhau.

Ora escutem!

Dia 9 de Junho todos os caminhos vão ter placas a dizer MARAFONA, apontando para o Teatro da Luz em Carnide. Ou pelo menos deviam.
A partir das 15h00 em directo e ao vivo do Teatro da Luz / Antena1 no programa “Viva a Música” com Armando Carvalheda e produção de Ana Sofia Carvalheda. Junho é mês de festa!
Se não chegarem a horas, no dia 10 de Junho podem ouvir tudo à 01:00 da manhã, entre as celebrações noturnas do dia de Camões.

ANTES QUE MATEM OS ELEFANTES | Olga Roriz

Estreia absoluta do novo espectáculo de Olga Roriz
28 Abril Centro Cultural de Ílhavo

“Por onde reabrir caminho, qual o tema, a terra, o objetivo? À procura de nós, dos nossos detritos. Em frente… sempre em frente não olhar para trás. Olhos fechados sem querer pensar, o frio, o medo do frio, a fome. Ali em lugar nenhum, lugar perdido, duro, rasgado. Ali, o lugar da ânsia do desconhecido. Memórias de estômago vazio. A escuridão, o corpo colado a outro corpo e a outro e a outro… O filho de encontro ao peito, cobertor às costas e malas, sacos, bonecos, entre uma outra pequena mão de carne e osso. Pés devastados, pisados de cada poeira. As pedras…O céu espesso, um céu aberto e a cabeça a estalar. Já não se sabe da dor, já se perdeu a ira. A dúvida, a insegurança e a pequenez cansa. Perdido o mínimo poder, perdida a dignidade, cansa. Demolida a última réstia de humanidade, cansa. E porquê eu?”

Olga Roriz, out. 2015

Espectáculo comemorativo do Dia Mundial da Dança

  • Antes que Matem os Elefantes | Digressão Cia Olga Rriz
fotografias de Paulo Pimenta

Direcção: Olga Roriz
Intérpretes: Beatriz Dias, Carla Ribeiro, Marta Lobato Faria, Bruno Alexandre, Bruno Alves, André de Campos e Francisco Rolo
Selecção musical: Olga Roriz e João Rapozo
Música: Aphex Twin, Ben Frost, Dahfer Youssef, Gavin Brayers, Max Richter, Two Fingers
Cenografia e figurinos: Olga Roriz e Paulo Reis
Desenho de luz: Cristina Piedade
Vídeo e pós-produção áudio: João Rapozo
Assistente de direcção e dramaturgia: Paulo Reis
Assistente de ensaios: Raquel Tavares
Montagem e operação de luz: Manuel Alão
Montagem e operação de som: Sérgio Milhano (PontoZurca)

Companhia Olga Roriz
Directora e coreógrafa: Olga Roriz
Assessor da direcção: Paulo Reis
Produção e digressões: Ana Rocha
Gestão: Patrícia Soares
Secretariado e produção: Teresa Brito

Espetáculo desenvolvido no âmbito de residência artística realizada no Centro Cultural de Ílhavo
Co-produção: Companhia Olga Roriz e Centro Cultural de Ílhavo

DOS BICHOS | Teatro O Bando

// DOS BICHOS (2016)

Convento de S. Francisco | 8 e 9 de ABRIL (SESSÕES ESGOTADAS) 10 de ABRIL (SESSÃO EXTRA) | COIMBRA

Nesta revisitação da peça Dos Bichos, baseada na obra com o mesmo nome de Miguel Torga, O Bando conduz os espectadores à descoberta de vários itinerários dentro do Convento. Esta peça, criada em residência propositadamente para a abertura oficial do Convento São Francisco conta com a participação da Banda Filarmónica de Taveiro, 2 atores profissionais de Coimbra e ainda vários figurantes também locais. Trata-se de envolver a comunidade na revisitação de uma peça que O Bando apresentou em 1990, no mesmo espaço, constituindo ainda hoje um marco artístico na memória de quem experenciou. Desta feita, não se espera menos…

texto BICHOS de MIGUEL TORGA dramaturgia e encenação JOÃO BRITES
música LUÍS PEDRO FARO e JORGE SALGUEIRO espaço cénico RUI FRANCISCO e JOÃO BRITES
figurinos e adereços CLARA BENTO e FÁTIMA SANTOS desenho de luz JOÃO CACHULO desenho de som SÉRGIO MILHANO   (PontoZurca)                  

elenco BIBI GOMESCÂNDIDO FERREIRAFÁTIMA SANTOS, F. PEDRO OLIVEIRAGUILHERME NORONHA,HORÁCIO MANUELJOÃO NECAJOÃO SEBASTIÃOJULIANA PINHOPAULA SÓ, PEDRO LAMAS, POMPEU JOSÉRAUL ATALAIARITA BRITO e RUI COSTA

participação BANDA FILARMÓNICA UNIÃO TAVEIRENSE maestro JOÃO PAULO FERNANDES 

MARAFONA | álbum “Está Dito” | Lançamento 4 de Março

A MARAFONA é um quinteto acústico composto por cordofones (viola, guitarra portuguesa, cavaquinho, campaniça e contrabaixo), percussões encimadas pela voz poderosa do cantautor Artur Serra e amiúde recorre ao seu coro masculino.

Como conta histórias as canções são quase visuais e a junção tímbrica de instrumentos e a variedade de arranjos transportam-nos por um périplo de cenários musicais inesperados ou para memórias escondidas.

Nos instrumentos tradicionais portugueses: Gonçalo Almeida na guitarra portuguesa, cavaquinho, campaniça e trancanholas; Artur Serra no adufe e berimbau.
Nos instrumentos ecléticos: Daniel Sousa na viola; Cláudio Cruz no contrabaixo.
Em ambas as categorias: Ian Carlo Mendonza na percussão.

Em Outubro de 2015 foi gravado o primeiro álbum da banda com o título ESTÁ DITO, produzido no estúdio PontoZurca gravado e misturado por Sérgio Milhano e masterizado no Elektropolis Mastering Studio por Uwe Teichert.

Participaram como músicos convidados: Ana Bacalhau (Deolinda), Mitó (Naifa) e Luís Peixoto (Júlio Pereira, Sebastião Antunes Trio). Pedro da Silva Martins (Deolinda) na escrita e composição da canção “Chovesse do tinto”.

Arte gráfica com ilustrações da artista Catarina Sobral.

capa_Marafona_PontoZurca

Apresentação de “Está Dito” nas lojas Fnac:

5 Mar | Fnac Alfragide | 17:00
11 Mar | Fnac Colombo | 18:30
11 Mar | Fnac Vasco da Gama | 21:30
12 Mar | Fnac Cascais | 17:00
12 Mar | Fnac Oeiras | 21:30
13 Mar | Fnac Almada | 17:00

vinil_Marafona_PontoZurca

marafona_contra_capa

26 Mar | Fnac Viseu | 16:00
26 Mar | Fnac Coimbra | 21:30
27 Mar | Fnac Leiria | 17:00
3 Abr | Fnac Chiado | 18:30
16 Abr | Fnac NorteShopping | 17:00
16 Abr | Fnac GaiaShopping | 22:00
17 Abr | Fnac Marshopping | 17:00

Acompanhem-nos!

Concerto de DEOLINDA ao vivo na TVi24 | Outras Histórias

“Os Deolinda estiveram este domingo no Jornal das 8 da TVI e na TVI24 para um concerto de apresentação do seu novo álbum, que se intitula “Outras histórias”, lançado a 19 de fevereiro.

No quarto trabalho discográfico dos Deolinda, registado em co-produção com João Bessa, destaque para as participações de Manel Cruz (Ornatos Violeta), que aparece em dueto com Ana Bacalhau, no tema “Desavindos” e de Riot (Buraka Som Sistema), numa inesperada colaboração em “A Velha e o DJ”. A Orquestra Sinfonietta de Lisboa, conduzida pelo Maestro Vasco Pearce de Azevedo, com os arranjos para cordas escritos por Filipe Melo, é outra das presenças no disco.”

Ana Bacalhau, voz
Luís da Silva Martins, guitarras, cavaquinho
Pedro da Silva Martins, guitarra
Sérgio Nascimento, percussão

Broadcast: Sérgio Milhano (PontoZurca)
Áudio estúdio: Ângelo Lourenço

Source: Deolinda | TVI Player

DEOLINDA | Digressão de apresentação de “Outras Histórias”

Os Deolinda anunciam a digressão do novo álbum “Outras Histórias” que tem data de lançamento prevista para 19 de Fevereiro.

Acompanhem-nos!!

26 FEV > VILA NOVA DE FAMALICÃO, Casa das Artes
27 FEV > VILA NOVA DE FAMALICÃO, Casa das Artes
18 MAR > PÓVOA DE VARZIM, CasinoPóvoa
19 MAR > BEJA, Pax Julia – Teatro Municipal
23 MAR > BRAGANÇA, Teatro Municipal de Bragança
26 MAR > ALBERGARIA-A-VELHA, Cineteatro Alba
31 MAR > LEIRIA, Teatro José Lúcio da Silva
08 ABR > CASTELO BRANCO, Cine-Teatro Avenida
22 ABR > LISBOA, Teatro Tivoli
24 ABR > LAGOA, Lagoa Wine Show – Centro Congressos do Arade
06 MAI > PORTO, Casa da Música
19 MAI > HEIST OD BERG, CC Zwaneberg BÉL
20 MAI > BRUXELAS, Palais de Beaux Arts BÉL
21 MAI > BEVEREN, CC Ter Vesten BÉL
28 MAI > SANTA MARIA DA FEIRA, Cine Teatro António Lamoso
04 JUN > LOULÉ, Cineteatro Louletano
10 JUN > A anunciar BRA
02 JUL > SÃO MIGUEL . Açores, Teatro Micaelense
29 JUL > BRAGA, Theatro Circo
29 OUT > VIANA DO CASTELO, Centro Cultural

deolindacapa_pontozurca

ANA MOURA | Concerto inédito disco MOURA | TVi24

Ana Moura, voz
Ângelo Freire, guitarra portuguesa
Pedro Soares, viola de fado
André Moreira, baixo e contrabaixo
Eurico Amorim, teclados
Mário Costa, bateria e percussões

Áudio | Sérgio Milhano (PontoZurca)
Video | TVI

℗ 2015 Universal Music Portugal, S.A.

O meu amor foi para o Brasil
letra e música: Carlos Tê

Ai Eu
letra: Pedro da Silva Martins | música: Pedro da Silva Martins e Luís da Silva Martins

Moura encantada
letra: Manuela de Freitas | música: Fado Cravo

Colecção Yetu – A Nossa Música | FESTin na Guiné Bissau

Dia 07 de Dezembro, às 18H, Yetu – A Nossa Música volta a ser exibido. Desta feita, na terra dos resistentes, na emblemática cidade de Bissau, no Centro Cultural Português, resultado de uma iniciativa conjunta do FESTin, do Instituto Camões e da Embaixada de Portugal na Guiné-Bissau.

Yetu_Pontozurca_Guine

Yetu – A Nossa Música parte do Projecto Documentar a Música de Angola, iniciado em Junho de 2013 sob encomenda do Banco de Desenvolvimento de Angola, instituição financeira pública tutelada pela Presidência da República de Angola a qual tem como objectivo apoiar o crescimento económico e sustentado do país à luz do Programa de Desenvolvimento Económico e Social do Governo e da Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Longo Prazo.

A colecção documental organizada de forma cronológica está assente num processo de pesquisa e documentação recolhida junto de todo o tipo de fontes – orais, escritas e sonoras– com o objectivo de reunião, recuperação e colecção – em plataforma física e digital – dos mais relevantes clássicos da música de Angola.

Trata-se de uma colecção de autor, com a assinatura do Banco de Desenvolvimento de Angola e direcção editorial e de produção da exclusiva responsabilidade da UPF Comunicação e Relações Públicas que a realizou com total independência liberdade ideológicas as escolhas, sendo responsável pelos critérios de alinhamento.

De Yetu – A Nossa Música, constam três CD de música de Angola – i) Música Tradicional; ii) Música Urbana Pré-independência; iii) e Música Urbana Pós-independência e até ao virar do seculo XX – um DVD com o registo do processo do trabalho – no qual se incluem entrevistas a músicos e registos de pesquisas em arquivos – e um Catálogo comentado com breve exposição da História da Música de Angola.

Consta ainda um sítio online sob consulta em www.bda.ao/yetu.

  • Mastered
Fotografias de Gonçalo Villaverde

Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo de Lisboa telf: 218807030 www.centroarbitragemlisboa.pt