PontoZurca

LATEST NEWS

A MINHA HISTÓRIA NÃO É IGUAL À TUA | Projecto corpoemcadeia | Olga Roriz

5 e 6 Agosto no espaço CriArte em Carcavelos

Fundação Calouste Gulbenkian | Grande Auditório 

“Ao passar o 2º pátio já sei que J., que está sempre à espera de me ver, saiu da cela e é sempre o primeiro a chegar à sala de ensaio. Ele é o único que está numa ala diferente dos outros reclusos.

Hoje, já estava na 2ª antecâmara à minha espera. Sorriu, abraçou-me como sempre. Perguntei-lhe: “pensaste no solo?” ele responde – “Sim! Ontem até comecei a experimentar umas coisas, mas o espaço entre o fim da cama e a parede é tão curto que não conseguia mexer”, eu digo: “mas utiliza essa falta de espaço para te inspirar”, “pois é tens razão!” diz ele com um ar de descoberta.

Subimos as escadas, chegamos ao estúdio, ponho a música do solo, ele deita-se no chão e começa a dançar naquela sala enorme o espaço imaginário da sua cela. (…)”

Olga Roriz, Notas de criação #13, 13 abril 2022

FICHA TÉCNICA

Direcção Olga Roriz
Intérpretes Fábio Tavares, Jackson Teixeira, Jeferson Silva, Juvelino Moreira, Manuel Antunes, Nelson Varela, Paulo Barbosa, Rui Tiquina e Wilson Ribeiro
Seleçcão musical Olga Roriz e João Rapozo
Figurinos Olga Roriz
Desenho de luz Cristina Piedade
Edição da Banda sonora João Rapozo
Assistente da direcção Catarina Câmara
Assistente de ensaio Andreia Marinho
Montagem e operação de som PontoZurca
Gestão e produção Magda Bull
Comunicação António Quadros Ferro
Assistente de produção Ricardo Domingos

Corpoemcadeia

Coordenação artística e social do projecto Catarina Câmara
Psicólogo clínico e formador Nelson (Henda) Vieira Lopes
Formadores artísticos do projecto André de Campos, Bruno Alves, Catarina Câmara, Félix Lozano, Hélio Santos, Peter Michael Dietz, Rafael Alvarez, Sara Carinhas, Valentina Barlachi, Yonel Serrano
Criação fotográfica do projecto Arlindo Pinto, Fernando Alves, João Vasco, Paula Arinto, Rosa Reis, Rui Morais e Castro, Susana Paiva
Parceiro social Instituto Gestalt Firenze, Valentina Barlacchi e Paolo Quatrinni
Parceiros Institucionais Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais/ Estabelecimento Prisional do Linhó, Escola Informal de Fotografia [do Espectáculo], Escola Superior de Dança, DuplaCena, Teatro Experimental de Cascais
Agradecimentos José de Carvalho, Narcisa Costa, Isabel Lucena, Tiago Figueiredo, Yaniv Abraham

“A minha história não é igual à tua” é o resultado do projecto Corpoemcadeia, desenvolvido pela Companhia Olga Roriz com um grupo de reclusos do Estabelecimento Prisional do Linhó, apoiado desde 2019 pela iniciativa PARTIS da Fundação Gulbenkian.

fotografia Arlindo Pinto

Concerto de Estreia | CARLOS BICA QUARTETO feat. João Barradas, Gonçalo Marques, Samuel Rohrer

CARLOS BICA QUARTETO feat. João Barradas, Gonçalo Marques, Samuel Rohrer

Sábado 30 Julho 2022 | 21h30

Auditório Osvaldo Azinheira da Academia Almadense

Bilhetes 12€
Venda antecipada na Drogaria Central Loja de Discos, Rua Capitão Leitão 14B, Almada
Venda dia 30 Julho entrada Auditório Osvaldo Azinheira, Rua Capitão Leitão 64, Almada
 

Uma Produção PontoZurca

Direcção Técnica, FOH, Som Sérgio Milhano


O contrabaixista e compositor Carlos Bica construiu um nicho musical de uma forte identidade com o seu estilo inventivo de um jazz ao mesmo tempo lírico e indie. Entre os vários projetos musicais que lidera, o seu trio AZUL tornou-se na sua imagem de marca como contrabaixista e compositor. Desde há mais de vinte anos que o trio AZUL de Bica, com Frank Möbus e Jim Black, fascina os seus ouvintes.

No dia 30 de Julho Carlos Bica irá apresentar-se com uma formação inédita. João Barradas (acordeão), Gonçalo Marques (trompete) e Samuel Rohrer (bateria) serão os músicos de excelência que Carlos Bica convidou para com eles partilhar as suas músicas.

 „A música de Carlos Bica é excitante, é moderna e contagiante. Bica é um ouvinte atento ao mundo exterior – donde a sua modernidade – e um escritor de canções inato. Nas suas composições encontramos fragmentos de coisas que apenas o nosso subconsciente reconhece, mas expostas de forma tal que elas nos surgem absolutamente naturais e óbvias. Nada que tenha a ver com alguma forma de pastiche ou resultado de copy/ paste; antes uma forma evidente de contar histórias feitas de pedaços de quotidiano que de uma forma estranha reconhecemos.“

– Leonel Santos „All Jazz“
fotografia Miguel Estima

FESTIVAL Jazz MATAzz | 9 e 10 Julho Mata dos Marrazes, Leiria

JazzMATAzz _2022 | 9 e 10 JULHO
Mata dos Marrazes | Rua do Viveiro
programa da 4ª edição do jazzMATAzz | Festival de Música da Mata dos Marrazes

9 Julho
21h30 | Mário Delgado “Filactera”
22H30 | Rocky Marsiano & Meu Kamba Jazz

10 Julho
21h30 | André Rosinha Trio
22h30 | Nelembe Ensemble

* um evento da União das Freguesias de Marrazes e Barosa, com o apoio do Município de Leiria e da Antena 2

2002 assistiu à edição do único álbum de originais de Mário Delgado.

Filactera, uma das primeiras edições Clean Feed Records, tratou-se de um projeto para o qual o guitarrista convocou a memória e o universo da Banda Desenhada.

Às pranchas da nona arte foi buscar o nome para este trabalho (Filactera é o vulgar balão que as personagens de banda desenhada usam para comunicarem entre si).

Cristalizado como um marco definitivo do jazz português, este projeto regressa à estrada para celebrar o seu 20.º aniversário e, para isso, Mário Delgado vai estar acompanhado por Alexandre Frazão (bateria), Nelson Cascais (contrabaixo), Desidério Lázaro (saxofone) e Rúben da Luz (trombone), revisitando a banda sonora que compôs para cada espaço mágico compreendido entre uma e outra quadrícula.

Filactera continua a ser, para muitos dos críticos de Jazz Português, um dos melhores discos de sempre.

Rocky Marsiano, projeto do veterano D-Mars, volta às suas origens de fusão entre beats e jazz. (da qual foi pioneiro em terras Lusas com o aclamado álbum de estreia The Pyramid Sessions, 2005).

Mas desta feita esta fusão é levada para novos territórios, fruto do percurso musical que levou a música de Marsiano até Cabo Verde e Angola, Guiné-Bissau e o Brasil. Ritmos afro-latinos são misturados com o swing jazzy e cadências rítmicas que vão desde o hip-hop ao afro-beat.

Assim nasce esta nova encarnação ao vivo: Meu Kamba Jazz. Sempre com muito espaço para a improvisação, aos beats quentes do Marsiano são adicionados o saxofone de Rodrigo Amado, a guitarra de Vicente Booth (dos Mazarin) e a percussão de António Duarte (aka Toni) – tornando cada concerto único.

Triskel dá o nome ao terceiro álbum do contrabaixista André Rosinha. Original da cultura Celta, a etimologia da palavra que nos chega até hoje, tríscele, vem do Grego e significa três pernas. O seu símbolo representa três extremidades curvas que, a partir de um centro comum, se enrolam em espiral, formando uma roseta. O movimento criado a partir da união destas três linhas refere-se à ideia de ciclo, ação e progresso e remete-nos também para o equilíbrio dos três elementos fundamentais da cultura Celta: Terra, Água e Ar; evocando também a interação divina entre Corpo, Mente e Alma. É a partir desta Trindade simbólica em que nos completamos e fundamentamos que o trio se vai apresentar.
O disco Triskel surge assim enquanto evolução do projeto “Árvore”, que permitiu ao trio conhecer-se melhor musicalmente e criar um som cada vez mais coeso e consolidado. É a partir daqui que avançam por novos territórios.
O reportório da autoria do contrabaixista, foi especialmente desenhado para ser interpretado pelos músicos João Paulo Esteves da Silva, no piano, pelo próprio, no contrabaixo e pelo Marcos Cavaleiro, na bateria.
Em Triskel, será mantida a atenção na melodia, agora com mais exploração do arco no contrabaixo e mais momentos de uníssono entre piano e cordas. Respeitar-se-ão algumas das influências do álbum anterior, como o folk, mas haverá maior ênfase na música clássica e num jazz europeu com uma estética mais lírica

Criação do músico e multi-instrumentista Jorge Queijo, Nelembe Ensemble começou com alguns ritmos de bateira gravados ao acaso e guardados num disco rígido. A partir deles, e em plena pandemia, Jorge Queijo construiu um conceito musical que ultrapassa fronteiras e estilos, abraçando afrobeat e highlife, sem esquecer a soul, funk e o jazz em constante confronto. Para além da questão rítmica e sonora, com várias latitudes dentro, o afrobeat traduz-se num ADN comportamental revolucionário e combativo de luta pela liberdade e pela justiça social. As vocalizações do Professor John Ezekiel e os arranjos do saxofonista João Cabrita, definiram o que a banda passou a chamar de dirty afrobeat – uma celebração musical onde a única regra é a ausência de regras, e onde reina a vontade de ser livre que só a música nos dá.
É este o ambiente sócio-cultural e estético que serve de inspiração / mote ao repertório que se tem vindo a criar pelo coletivo de artistas / músicos (Manuel dos Reis – Baixo, Renato Mont – Guitarra, Sérgio Alves – Órgão / sintetizador, João Cabrita – Sax Barítono, Rafael Gomes – Sax Barítono, Rui Teixeira – Sax Alto, Daniel Lourenço – Trombone, João Barroso – Tuba, Juvânia Gomes – Voz, Prof. John Ezekiel – Voz), liderado pelo baterista Jorge Queijo.

Direcção Técnica, FOH Sérgio Milhano, PontoZurca

SELVAGEM | Festival de Teatro de Almada

Festival de Teatro de Almada

Teatro Municipal Joaquim Benite, Almada 9 e 10 Julho

Marco Martins propõe em Selvagem uma reflexão sobre o uso da máscara em práticas ritualísticas que, desde tempos imemoriais, marcam coletivamente em vários pontos da Europa momentos cruciais como equinócios e solstícios, integrando personagens como o Homem Selvagem, o Urso, a Cabra ou o Diabo.

Somos cada vez mais uma sociedade de máscaras que se escondem atrás de um mundo virtual. Qual o significado atual de máscara? Como pode a convivência com a máscara sanitária transformar a atividade, o ativismo e a identidade de cada um? Vivemos num quotidiano repleto de avatares, caricaturas, memes, aplicações que permitem transformar rosto e corpo e vários tipos de filtros capazes de esbater ainda mais a linha entre rostos e máscaras. A partir da investigação sobre o significado ancestral da máscara, SELVAGEM mapeará o seu valor como possibilidade identitária, bem como a complexidade inerente à multiplicação e interseção de identidades.

Encenação | Marco Martins

Ideia original | Renzo Barsotti

Texto e Dramaturgia | Marco Martins e Patrícia Portela a partir dos contributos do elenco

Colaboração e Apoio Dramatúrgico | Alexander Gerner, Charles Fréger, Giovanni Carroni, Rita Cabaço, Vânia Rovisco

Com | Andrea Loi, Giuseppe Carai, João Paulo Alves, Luís Meneses, Marco Abbà, Rafael Costa,Riccardo Spanu e Rubens Ortu

Música | Miguel Abras

Cenografia | Fernando Brízio

Projecto, Construção e Montagem Cenográfica | ArtWorks

Desenho de Luz | Nuno Meira

Operação de Luz | Ricardo Campos

Montagem e Operação de Som | Sérgio Milhano / Pedro Baptista, PontoZurca

Movimento | Vânia Rovisco

Assistência de Encenação | Rita Quelhas

Pesquisa e Documentação | Zé Pires

Apoio aos Ensaios | Rita Cabaço, Vânia Rovisco

Consultoria | Doina Isfanoni

Imagens | Andreas Bentzon, Benjamim Pereira / Instituto dos Museus e da Conservação,I.P.

Administração Arena Ensemble | Marta Delgado Martins

Assistência à Produção | Mafalda Teles

Apoio à Produção (Bragança) | Luís Manuel Costa

Coordenação de Projecto e Direcção de Produção | Mariana Brandão

ALINE FRAZÃO Festival MED 2022

Aline Frazão no Palco Matriz

Festival MED, Loulé 2 Julho

 
Aline Frazão regressa aos palcos com o espectáculo de “Uma Música Angolana”, seu novo disco onde retoma uma sonoridade de banda, cálida, festiva e poética, navegando entre vários ritmos de matriz africana.”
 
Voz e Guitarra | Aline Frazão
Bateria | Marcelo Araújo
Baixo | Mayo
Trompete | Diogo Duque
Piano e Teclados | Pri Azevedo
Som FOH | Sérgio Milhano, PontoZurca
 
fotografias Festival MED

BATIDA apresenta IKOQWE Festival MED

BATIDA Apresenta IKOQWE no Palco Cerca

Festival MED, Loulé 1 Julho

 

IKOQWE nasce do encontro de dois cúmplices: ‘Coqwe’ é Pedro Coquenão, também conhecido por Batida (o artista angolano, nascido em Lisboa que figura entre os expoentes da nova vaga da música electrónica africana), enquanto ‘Iko’ é Luaty Beirão, também conhecido como Ikonoklasta, o rapper angolano que se tornou num icónico ativista.

São dois personagens fictícios que, vindos de um tempo e espaço distantes, são confrontados com o mundo de hoje. A inspiração de IKOQWE vem tanto do Hip Hop da velha escola quanto da música tradicional angolana.

O álbum de estreia chama-se “The Beginning, the Medium, the End and the Infinite” e tem edição internacional pela editora belga Crammed Discs.”

Som FOH Sérgio Milhano, PontoZurca

fotografias Festival MED

ELAS TAMBÉM ESTIVERAM LÁ | Filme de Joana Craveiro

Elas Também Estiveram Lá | Women Were There Too
Filme de Joana Craveiro

Portugal | Doc | 2021 
Menção Especial Júri | Special Mention | Olhares do Mediterrâneo – Women’s Film Festival

Este é um documentário poético sobre a visibilidade e a invisibilidade das mulheres nos processos históricos, tanto durante a ditadura de 1926-1974 como no processo revolucionário de 1974-1975. Baseado no espectáculo teatral homónimo, que começava nas imediações do Cinema São Jorge e desembocava na misteriosa sala da Rank Filmes, usado pela censura durante a ditadura, o filme dá vida às histórias invisíveis de uma série de mulheres que estiveram lá, combinando testemunhos, fotografias e outros documentos.

Concepção, Texto e Realização | Screenplay and Director Joana Craveiro 
Apoio ao Argumento | Screenplay Assistant Miguel Bonneville 
Câmara | Camera José Torrado 
Montagem | Editing José Torrado, Joana Craveiro 
Direcção de Fotografia | Cinematography José Torrado, João Cachulo 
Iluminação | Lighting Director João Cachulo
Direcção de Som | Sound Director Rui Dâmaso 
Voz-off em Estúdio e Sound Mixing | Studio and Sound Mixing Sérgio Milhano | PontoZurca 
Assistência de Realização e Anotação | Director Assistant Estêvão Antunes 
Música Original e Ambiente Sonoro | Music Score Francisco Madureira 
Direcção de Arte | Art Director Teatro do Vestido
Guarda-roupa | Costume Design Ainhoa Vidal 
Apoio Criativo em Várias Frentes | Artistic Assistant Tânia Guerreiro 
Direcção de Produção | Executive Producer Alaíde Costa
Assistência de Produção | Production Assistance João Ferreira 
Gestão Financeira | Financial Management Leocádia Silva

Com | With Ainhoa Vidal, Inês Monteiro, Inês Rosado, Joana Craveiro, Joana Margarida Lis, Júlia Guerra, Tânia Guerreiro, Vera Bibi

Figuração | Extras Sónia Guerra, Tatiana Damaya

Sónia Guerra e Tatiana Damaya participam neste projecto no contexto de estágio curricular, ao abrigo de protocolo entre o Teatro do Vestido e ESAD.CR
Sónia Guerra and Tatiana Damaya participate in this project in the context of a curricular internship, under the protocol between Teatro do Vestido and ESAD.CR

Apoio | Support Câmara Municipal de Lisboa – Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico
Co-produção | Co-production Teatro do Vestido e EGEAC

O Teatro do Vestido é uma estrutura financiada por República Portuguesa – Cultura | DGARTES
Teatro do Vestido is supported by República Portuguesa – Cultura | DGARTES

Filme galardoado com o prémio especial do júri do Festival Olhares do Mediterrâneo “pela imensa criatividade, mistura de formatos, do teatro à reportagem, filme de arquivo e linha pedagógica e uma rara erudição de Cinema, a fazer evocar as Histoires du Cinéma de Godard, bem como a explícita citação de filmes portugueses. Mostra trabalho, ideias de cinema, inteligência e humor.

Elas também estiveram lá, originalmente um espectáculo de teatro estreado em 2018, foi nomeado para melhor Texto Português Representado pela SPA, em 2019.

fotografias Teatro do Vestido

ANA BACALHAU TOUR Verão 2022

Ana Bacalhau apresenta ao vivo o seu recente álbum a solo “Além da Curta Imaginação”.

Misturado no Estúdio PontoZurca por Sérgio Milhano, Produtor e Técnico de Som, que também acompanha a Ana Bacalhau ao vivo.

Gravado e Produzido por | Twins
Misturado por | Sérgio Milhano no estúdio PontoZurca
Masterizado por | Christian Wright no Abbey Road Studios

MIXED Universal Music

INSÓNIA | Olga Roriz

19 Mar. Centro de Artes de Águeda

21 Mai. 21h / 22 Mai. 16h Teatro Camões, Lisboa

28 Mai. Centro de Artes e Espetáculo, Portalegre

Insónia é um espectáculo dirigido por Olga Roriz para um elenco renovado e criado em parceria com a equipa criativa das peças anteriores. A entrada de novos elementos no corpo de bailarinos renova pontos de vista e opções estéticas. Bailarinos de cinco nacionalidades são o resultado da escolha de uma audição internacional.

Uma reivindicação do lugar do corpo, da sua energia à sua fragilidade. O corpo intranquilo de carne exposta. A selvajaria de serem vários num mesmo mundo erótico. A identidade, origem, memórias de cada um dos intérpretes foram postas à prova, confrontando o passado, o presente, o futuro e a conexão vital com as origens.

A inexorável passagem do tempo. Um estudo sobre o feminino e o masculino, o macho e a fêmea sem sexo definido, sem género.

Sendo o erotismo um conceito vago, não palpável do foro da imaginação, havia que concretizá-lo, intelectualizá-lo. Num primeiro período da criação produziu-se muito pensamento em forma de escrita. Este é um desses textos: “Erotismo é armadilha de todas as definições e interpretações. Erotismo é o jogo do solitário, é uma cela solitária que te irriga de liberdade enquanto te encerra na sua sombra e humidade. É uma forma de libertação. É instinto animal e humano simultaneamente, na ótica em que parte de um pensamento. É uma escolha do pensamento, uma tentação. É um jogo indirecto de atracção, não óbvio. A combinação entre o sensual e o sexual. É efémero como uma sensação. Tudo o que estimula a fantasia. Pode ser um olhar determinado. Um toque direto. Um argumento profundo. Um tom de voz forte. Um sorriso envergonhado. Um momento onde se perde a noção do tempo. Pode partir da imaginação e pode ser alimentado conscientemente pelo trabalho da mente num jogo constante. Jogar Xadrez com alguém pode ser extremamente erótico”.

Insónia, emerge no que de onírico tem a questão do amor, do género e da genética.

Estórias partilhadas com simplicidade e decoro ou desbocadamente. Matérias feitas manifesto.

E ainda a imagem de uma Primavera invertida como se as estações se pudessem suspender no espaço e no tempo.

Olga Roriz | 2021

Direcção Olga Roriz

Intérpretes Catarina Câmara, Connor Scott, Emanuel Santos, Marta Lobato Faria, Melissa Cosseta, Natalia Lis, Yonel Serrano

Concepção da banda Sonora
Olga Roriz e João Rapozo

Músicas Archive, Armand Amar, Bobby Diran, Brian Eno, Dimitra Galani, Eleni Karaindrou, João Hasselberg, Johann Sebastian Bach, Lucrecia Dalt, Nils Fraham, Peteris Vasks, Gloria Gaynor, Willie Dixon

Cenografia e Figurinos Olga Roriz e Ana Vaz

Desenho de Luz Cristina Piedade

Edição de Som João Rapozo

Textos Intérpretes

Assistência à criação Bruno Alves

Assistência de Cenografia Pedro Jardim

Assistência de Figurinos Ricardo Domingos

Estagiárias assistentes de ensaios
Clara Bourdin, Ieva Bražėnaitė

Direcção técnica e Operação de Luz Contrapeso

Montagem e Operação de Som Sérgio Milhano, PontoZurca

Direcção de Cena Olga Roriz

Companhia Olga Roriz
Directora e coreógrafa
 Olga Roriz
Produção e digressões António Quadros Ferro
Assistente de produção Ricardo Domingos
Gestão Magda Bull
Formação e Residências Lina Duarte

ALINE FRAZÃO | Concerto em Lisboa

Aline Frazão apresenta o seu quinto álbum “Uma Música Angolana” dia 20 Abril no Teatro Maria Matos.

Gravado e Misturado no Estúdio PontoZurca por Sérgio Milhano, Produtor e Técnico de Som, que também acompanha a Aline Frazão ao vivo.

RODRIGO AMARANTE | Concerto em Lisboa

Rodrigo Amarante regressa a Portugal em 2022 para dois concertos de apresentação do seu novo álbum “Drama”, sucessor de “Cavalo”, o álbum de estreia a solo que em 2014 viria a consagra-lo, em definitivo, como um dos artistas mais importantes da história da música brasileira.
 
Rodrigo Amarante marcou profundamente uma geração no seu país enquanto um dos líderes da banda Los Hermanos e como membro fundador do super grupo de samba Orquestra Imperial, ao lado de Seu Jorge ou Moreno Veloso.
 
Ao reconhecimento no seu país seguiu-se o internacional, graças ao projecto Little Joy, que formou com o baterista dos Strokes, a colaborações com Devendra Banhart e à autoria da música de abertura da mundialmente aclamada série televisiva “Narcos”.
 
Som FOH Sérgio Milhano, PontoZurca

Festival FADO in A BOX 2022

Em 2020, em pleno confinamento, nasceu o Festival Live in a Box. Durante três dias, através das suas contas de Instagram, artistas lusófonos deram concertos online e chegaram, em direto, a cerca de 8 mil espectadores.

Em 2022, o Live in a Box salta do pequeno ecrã do telemóvel e chega ao Teatro São Luiz em Lisboa, ao Teatro das Figuras em Faro e ao Teatro Municipal de Bragança para voltar a estar perto das pessoas e a transmitir-lhes aquilo de que só a música ao vivo é capaz.

A música lusófona volta a instalar-se num palco físico e promete reunir-se num festival fora da caixa que celebra a união entre a música lusófona e ibérica, em dois concertos diários ao longo de três dias.

Direcção Técnica FOH Sérgio Milhano, PontoZurca

BOOM! de Miguel Loureiro estreia no CCB

8, 9 e 10 Abril

Pequeno Auditório do Centro Cultural de Belém, Lisboa

O actor e encenador Miguel Loureiro estreia no palco do Pequeno Auditório do CCB a versão integral de The Milk Train Doesn’t Stop Here Anymore (1963), uma das últimas peças de Tennessee Williams, uma das figuras cimeiras do teatro norte-americano do século XX.

Uma velha senhora (Flora Goforth), rica, doente, a morrer, viciada no álcool e nos medicamentos, hipocondríaca, dita as suas memórias a uma secretária, Blackie, do alto do seu monte, uma villa italiana a sul de Nápoles, na Divina Costiera. É guardada por um capataz (Rudy) com cães ferozes que a protegem do Mundo, depois de um passado agitado, quatro casamentos enterrados.

Um intruso, espécie de Anjo da Morte, o jovem belo Flanders, figura crística de redenção, poeta, criador de móveis, que tem como estranha profissão dar apoio a velhas senhoras ricas que se preparam para morrer. Versado nos mistérios da filosofia hindu, que usa como consolo. Uma amiga, a «Bruxa de Capri», Marquesa Condetti, cúmplice e companhia de Flora, par na excentricidade, que profetiza a vinda do jovem. Dois criados ainda, Simonetta e Giulio, que içam e descem bandeiras da villa da velha senhora.

Cenário e galeria bizarros de uma peça sobre a redenção, o erotismo, o misticismo, a doença e o fim dos caminhos. Os velhos temas. Tudo num quadro de excessivo camp, de estranheza e desajustamento, uma das últimas peças de Tennessee Williams, 1963, que terá sido um flop à estreia. Transposto também em fracasso no cinema, por Elizabeth Taylor e Richard Burton.

fotografias Vitorino Coragem

Autoria Tennessee Williams
Tradução e dramaturgia Miguel Graça
Encenação Miguel Loureiro
Cenário André Murraças
Figurinos Fernando Alvarez
Luzes Daniel Worm
Sonoplastia Sérgio Milhano, PontoZurca
Apoio ao movimento Miguel Pereira
Cabelos Natália Bogalho
Maquilhagem Magali Santana
Mestre de guarda-roupa Rosário Balbi
Executamente da cabeça japonesa Luís Stoffel
Produção executiva Nuno Pratas
Agradecimentos Cândida Murraças, Carlos Avilez, Cristiana Couceiro, João Vasco, Teatro Aberto, Teatro Experimental de Cascais
Interpretação Álvaro Correia, António Ignês, David Almeida, João Gaspar, João Sá Nogueira, Miguel Loureiro e Rita Calçada Bastos

Fotografia (c) TUNA/TNSJ

Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo de Lisboa telf: 218807030 www.centroarbitragemlisboa.pt PONTOZURCA 2009