PontoZurca

LATEST NEWS

FESTIVAL TODOS 2018 | Caminhada de Culturas

Criado em 2009, o TODOS-Caminhada de Culturas tem afirmado Lisboa como uma cidade empenhada no diálogo entre culturas, entre religiões e entre pessoas de diversas origens e gerações. O TODOS tem contribuído para a destruição de guetos territoriais associados à imigração, abrindo toda a cidade a todas as pessoas interessadas em nela viver e trabalhar.

TODOS em São Vicente, Lisboa 20, 21, 22 e 23 de Setembro

MÚSICA | TEATRO | DANÇA | NOVO CIRCO | FOTOGRAFIA

GRAFFITTI | CULINÁRIAS DO MUNDO

Programa

PROVISIONAL FIGURES | encenação de Marco Martins

Provisional Figures é a denominação dada, em estudos estatísticos, a todos os emigrantes com uma situação indefinida ou provisória presentemente a trabalhar no Reino Unido.

Culminando um processo de dois anos de investigação junto da comunidade portuguesa de Great Yarmouth, Provisional Figures propõe-nos uma reflexão sobre os problemas da identidade e da emigração num contexto urbano fortemente abalado pela crise económica e consequentes convulsões sociais.

Relativamente desconhecida em Portugal, esta emigração teve o seu auge nos anos da crise económica (2009-2014), tendo como destino as grandes fábricas de transformação alimentar (perús e galinhas) instaladas nesta zona do Norfolk inglês tradicionalmente fustigada pelo desemprego. Aproveitando a decadência desta vila costeira, outrora um destino balnear de eleição para os britânicos, as fábricas da região aproveitaram a capacidade de alojamento dos hotéis e campos de caravanas semiabandonados para aqui instalar os seus novos trabalhadores.

Trabalhando em Great Yarmouth com um grupo de nove habitantes de diversas nacionalidades, ao longo de vários meses, Marco Martins constrói um espectáculo baseado nos testemunhos individuais de quem vive de perto este período de incerteza e adaptação, explorando as contradições do comportamento humano e a natureza das relações entre os homens e os outros animais.

25 e 26 Maio | The Drill House, Great Yarmouth, UK Norfolk & Norwich Festival

15 e 16 Junho | Teatro Rivoli, Porto FITEI 2018

28 Junho a 4 Julho | Teatro Maria Matos, Lisboa

Encenação Marco Martins
Produzido por CCTAR – Centro de Criação para o Teatro e Artes de Rua
Intérpretes Ana Moreira (Portugal), Ivan Ammon (Eslovénia), Maria do Carmo Ferreira (Portugal), Pedro Cassimo (Moçambique), Peter Dewar (Inglaterra), Richard Raymond (Inglaterra), Robert Elliot (Inglaterra), Sérgio Cardoso de Pinho (Portugal), Victoria River (Inglaterra)
Conceito e Dramaturgia Marco Martins 
Uma ideia original de Renzo Barsotti
Pesquisa e Documentação Zé Pires
Workshops de Movimento e Teatro Nuno Lopes, Sara Carinhas, Romeu Runa e Victor Hugo Pontes
Assistente de Encenação Rita Quelhas 
Textos Gonçalo M. Tavares e Isabela Figueiredo
Pesquisa Fotográfica André Cepeda, Marco Martins e Sofia Bernardo
Desenho Gráfico Studio Pyramid
Tradução e Legendagem Tradioma, Gab. de Tradução e Interpretação, Lda.
Cenografia Fernando Ribeiro
Desenho de Luz Nuno Meira
Sonoplastia Sérgio Milhano 
Direcção de Produção Sofia Bernardo
Assistente de Produção Paula Coelho

ACTORES | Encenação de Marco Martins

Actores é uma criação colectiva resultado de uma reflexão sobre o trabalho do actor nas suas variadas formas de expressão. Um espectáculo feito através dos relatos autobiográficos – mais ou menos diarísticos, de cada um dos intérpretes, a partir de textos por si representados ao longo dos anos, associando pulverizações narrativas de grandes clássicos com textos de novela ou anúncios de rádio e televisão. Ao todo, são mais de 40 textos de diferentes autores resultando numa dramaturgia paralela e num olhar retrospectivo sobre a vida de cada um dos intérpretes.

 

Encenação e Dramaturgia: Marco Martins
Apoio dramatúrgico: Alexander Gerner
Assistência de encenação: Guilherme Branquinho e Rita Quelhas
Direcção de produção: Mariana Brandão

Interpretação: Bruno Nogueira, Carolina Amaral, Miguel Guilherme, Nuno Lopes e Rita Cabaço

Cocriação: Marco Martins com: Bruno Nogueira, Luísa Cruz, Miguel Guilherme, Nuno Lopes e Rita Cabaço

Cenografia: Fernando Ribeiro
Desenho de luz: Nuno Meira
Sonoplastia: Sérgio Milhano
Figurinos: Isabel Carmona
Residência Artística: Oficina/ Centro de Criação de Candoso
Apoio: Fundação D. Luís I / Câmara Municipal de Cascais
Coprodução: Arena Ensemble, Teatro Nacional São João, Centro de Arte de Ovar e São Luiz Teatro Municipal

TODO O MUNDO É UM PALCO | de Beatriz Batarda e Marco Martins

“Dezanove intérpretes executam agora uma coreografia ao som de Imagining my Man, de Aldous Harding. O público observa atentamente; um bebé caminha em palco. Os movimentos são bastante simples mas a contagem rítmica é complexa e a música longa. A propósito deste momento, o Bruno disse: – …mal consigo memorizar os movimentos, mas é sempre uma delícia dançar com os meus amigos.”

in “Todo o Mundo é um Palco”

A propósito da celebração dos 150 anos do Teatro Trindade, Marco Martins e Beatriz Batarda propõem uma reflexão sobre o Teatro e os processos de tradução nele envolvidos. Convocando para o palco um grupo de vinte habitantes da cidade de Lisboa (intérpretes profissionais e não-profissionais) de nove nacionalidades distintas, os autores operam sobre as memórias individuais daqueles que nela habitam para traçar a cidade.
Estabelece-se um jogo que parte da construção das histórias pessoais, questionando o lugar do individuo, do grupo e do diálogo.
Construído ao longo de um processo de seis meses de trabalho, “Todo o Mundo é um Palco” pretende ser uma celebração do Teatro enquanto desejo de identificação com o outro e lugar de transformação, que se serve de todas as formas de tradução para dar voz à memória, ao corpo e à projecção que fazemos de nós no futuro.

17 Nov a 10 Dez | Teatro da Trindade, Lisboa

Criação: Arena Ensemble
Encenação: Beatriz Batarda . Marco Martins
Colaboração: Victor Hugo Pontes

Com: Carolina Amaral . Miguel Borges . Romeu Runa e Aline Caldas . António Gama . António de Vasconcelos . Abdelkader Benmerdja . Bruno Massy . Dewis Caldas . Haitham Khatib . Hélder Pina . Jorge Mendonça Oliveira . Laure Cohen-Solal . Lucas Sadalla . Malena Camargo Caldas . Marco Pedrosa . Mick Mengucci . Moin Ahamed . Pascoal Silva . Safira Robens

Espaço Cénico: Fernando Ribeiro
Desenho de Luz: Nuno Meira
Sonoplastia: Sérgio Milhano
Fotografia: João Tuna
Comunicação: Maria João Taborda

Workshop Improvisação Beatriz Batarda . Marco Martins . Romeu Runa . Victor Hugo Pontes
Workshop Movimento: Romeu Costa
Workshop Música: Nuno Rafael

Assistência de Encenação e Vídeo: Rita Quelhas
Assistência de Vídeo: Kate Saragaço Gomes
Assistência de Cena: Marta Medeiros
Pesquisa e Documentação: Zé Pires
Estagiária: Teresa Mata

Direção de Produção: Mariana Brandão
Produção Executiva: Arena Ensemble
Produção: Teatro da Trindade / Fundação INATEL

Apoios: Ministério da Cultura | RTP | C. M. Lisboa
Classificação Etária: M12

ALMENARA | Teatro o Bando

Almenara Palmela 2017 ​| 16 SET | Castelo de Palmela​
criação Teatro O Bando

“Os Amantes fortalecem-se na vontade de prevalecer e nunca se perdem uns dos outros.
Amanhã invadimos o Castelo para o ritual com lotação esgotada.
Agradecemos a todos os nossos actores, técnicos e músicos, bem como a todo o público que vem acender esta ALMENARA em Palmela. Que o motivo da nossa comunicação seja a liberdade de cada um no ritual dos sonhos.”

ALMENARA
Ontem… era fogo para ver ao longe.
Hoje… é fogo que arde sem se ver!

dramaturgia e encenação JOÃO BRITES
música e direcção musical JORGE SALGUEIRO
cenografia RUI FRANCISCO
figurinos CLARA BENTO
assistência de encenação JULIANA PINHO
assistente de cinema LEVI MARTINS
desenho de luz e vídeo-mapping JOÃO CACHULO
desenho de som SÉRGIO MILHANO (PontoZurca)

com a presença de mais de MEIA CENTENA de PARTICIPANTES, entre ACTORES e MÚSICOS

Fotografia: Rita Santana

SOZINHO, COM AMOR | Encenação de Beatriz Batarda

“Sozinho, com amor” ou os gestos quotidianos do intelectual Amílcar Cabral.

Estreia 14 Julho, 19:00 Fundação Calouste Gulbenkian

Entrada livre

Baseada nas cartas de Amílcar Cabral à sua mulher, Maria Helena, uma leitura encenada que procura encontrar os ecos que Amílcar Cabral imprimiu na memória direta e indireta das nossas histórias através do som de cada voz e de cada corpo.

Amílcar Cabral foi fundador do Partido Africano para a Independência de Cabo Verde e Guiné-Bissau (1959), guerrilheiro colonizado que libertou o colonizador e foi assassinado por companheiros de luta em 1973. Estes são os ecos do seu heroísmo: “aos brancos (…) não lhes convém que estes [negros] se tornem seus concorrentes, que os filhos dos negros, evoluídos, instruídos, façam concorrência aos seus filhos na luta pela vida”. E do seu amor eterno: “Quero cantar teus olhos, teu falar/Teus gestos, teus suspiros de Mulher/Num verso só quero consumar/Toda a expressão imensa, do teu ser”.


Encenação e espaço cénico: Beatriz Batarda
Sonoplastia: Sérgio Milhano, Ponto Zurca
Com: André Simões, Beatriz Batarda, Eduardo Jaló e Flávia Gusmão
Voz gravada: Sana N’Hada

A DIVINA COMÉDIA INFERNO | Teatro O bando

Estreia 11 Maio A Divina Comédia | INFERNO | Teatro O Bando

co-produção Teatro Nacional D. Maria II (oficial), Câmara Municipal de Coimbra/ Convento São Francisco e Teatro Nacional São João

de 11 MAI a 4 JUN na Sala Garrett, TNDM II – LISBOA
de 15 a 18 JUN no Teatro Carlos Alberto – PORTO
24 JUN no Convento São Francisco – COIMBRA

. . .
“Deixai toda a esperança, vós que entrais.”

O INFERNO está no meio de nós. Cá fora. Cá dentro. Questionamo-nos sobre a existência e a humanidade possíveis nos dias que hoje atravessamos. Viajamos. Abrimos as portas inferiores. Alteramos escalas e níveis de percepção. Observamos de muito longe. Vemos ao microscópio. Ouvimos as vozes. Os gritos. Os risos. Experienciamos todas as distâncias. Os medos. As penitências. Procuramos a ajustada imagem da realidade.

texto DANTE ALIGHIERI
dramaturgia e encenação JOÃO BRITES
dramatografia JOÃO BRITES e RUI FRANCISCO
cenografia RUI FRANCISCO
dramatofonia e música JORGE SALGUEIRO
figurinos e adereços CLARA BENTO
corporalidade e vídeo design STEPHAN JÜRGENS
assistência de encenação DIEGO BORGES
desenho de luz JOÃO CACHULO / CONTRAPESO
desenho de som SÉRGIO MILHANO / PONTOZURCA
direcção de fotografia ALEXANDRE NOBRE investigação histórica SUSANA MATEUS

com
ANA BRANDÃO, BRUNO BERNARDO, CAROLINA DOMINGUEZ, CATARINA CLARO, CIRILA BOSSUET, DIEGO BORGES, GUILHERME NORONHA, JOÃO GROSSO, JOÃO NECA, JOSÉ NEVES, JULIANA PINHO, LARA MATOS, LÚCIA MARIA, MANUEL COELHO, PAULA MORA, RAUL ATALAIA, RITA BRITO, RITA GONÇALVES, SARA BELO, SARA DE CASTRO e TOMÁS VARELA

Inferno_Bando_Lisboa_PontoZurca

À BOLEIA PARA HOLLYWOOD

“À Boleia para Hollywood” (no original “I Ought to be in pictures”), de Neil Simon, é a história de Libby Tucker, uma jovem que atravessa o país, de Nova Iorque para Hollywood, à procura do pai argumentista, Herb Tucker, que abandonou a família 26 anos antes.
À partida, a intenção de Libby é “entrar nos filmes” com a ajuda do pai. Herb, que Libby tem idolatrado de longe, é um escritor em bloqueio criativo, numa relação amorosa rotineira com a sua companheira, Steffy. Mas a grande surpresa de Libby é que entrar na vida do pai era tudo o que ambos precisavam. A chegada de Libby força as três personagens a enfrentarem as suas barreiras emocionais, numa luta tão bem-humorada quanto pungente.

28 e 29 de Abril – MUDAS, Madeira
13 Maio – Teatro das Figuras, Faro
18 Maio – teatro Académico Gil Vivente, Coimbra

Duração: 120 minutos, com intervalo
M/12 anos

Ficha artística e técnica:
Texto: Neil Simon
Encenação: Cucha Carvalheiro
Cenografia e Figurinos: Ana Vaz
Desenho de Luz: Paulo Graça
Banda Sonora: Rui Rebelo
Fotografia: Alípio Padilha
Design Gráfico: Sílvia Franco Santos
Operação de luz: Paulo Graça
Operação de som: Sérgio Milhano / PontoZurca
Produção executiva: Bernardo Vilhena e Nuno Pratas
Interpretação: Cláudia Vieira, João Lagarto e Sofia de Portugal
Produção: Culturproject

Hollywood_PontoZurca

AS CRIADAS | encenação de Marco Martins

O ar é nauseante. Mas elas respiram-no.

A partir do momento em que a patroa se ausenta, a fantasia rasga-se no imaginário de duas irmãs, que se transportam para longe das suas próprias vidas, numa fuga urgente de um quotidiano miserável. Neste olhar de Marco Martins sobre o texto de Genet, o palco transforma-se num espaço de enclausuramento onde Beatriz Batarda, Sara Carinhas e Luísa Cruz exploram as diversas identidades daquelas personagens em construção.

“Repudiando as virtudes do vosso mundo, os criminosos concordam irremediavelmente em organizar um universo paralelo. Concordam em viver nele. O ar é nauseante: eles conseguem respirá-lo.” Jean Genet

AS CRIADAS
de Jean Genet
encenação Marco Martins
tradução Matilde Campilho
com Beatriz Batarda, Luísa Cruz, Sara Carinhas
cenografia F. Ribeiro
figurinos Isabel Carmona
movimento Victor Hugo Pontes
desenho de luz Nuno Meira
assistente de desenho de luz CárinGeada
sonoplastia Sérgio Milhano
direção de produção Narcisa Costa
produção Arena Ensemble
coprodução TNDM II, Teatro Viriato
M/16ascriadas_pontozurca
as_criadas_pontozurca

ALMENARA | Teatro o Bando

ALMENARA é um grande projecto com organização da Câmara Municipal de Palmela e Câmara Municipal de Lisboa/EGEAC e contempla a apresentação de 2 espectáculos que acontecem em simultâneo no dia 17 de Setembro no Castelo de Palmela e no Castelo de S. Jorge.

Em Lisboa o espectáculo ALMENARA conta com a direcção artística de Jorge Ribeiro (Companhia da Esquina) e em Palmela será João Brites (Teatro O Bando) a dirigir este grande evento que conta com a participação de mais de meia centena de participantes entre actores e músicos.

obando_almenara_pontozurca

dramaturgia e encenação JOÃO BRITES
música e direcção musical JORGE SALGUEIRO
cenografia RUI FRANCISCO
figurinos CLARA BENTO
assistência de encenação JULIANA PINHO
assistente de cinema LEVI MARTINS
desenho de luz e vídeo-mapping JOÃO CACHULO
desenho de som SÉRGIO MILHANO (PontoZurca)

ANTÓNIO e CLEÓPATRA | Festival D’ Automne à Paris

Temporada de 14 de Setembro a 8 de Outubro no Festival D’ Automne – Théâtre de la Bastille, Paris

Apresentações esgotadas

“Se dizemos um dos nomes, o outro surge de seguida. A nossa memória não consegue evocar um sem o outro. Plutarco escreveu que, a partir deles, o amor passou a ser a capacidade de ver o mundo através da sensibilidade de uma alma alheia. Misturaram amor e política e inventaram uma política do amor. São uma história de amor histórico. São um romance baseado em acontecimentos reais frequentemente romanceados. Shakespeare ergueu-lhes um monumento verbal que transformou na verdade mais verdadeira aquilo que nunca lhes aconteceu. No filme de Mankiewicz que levou a 20th Century Fox à falência, Richard Burton e Elizabeth Taylor foram o casal celuloide e real que eles nunca e sempre foram. Neste espetáculo que Tiago Rodrigues escreve e dirige, Sofia Dias e Vítor Roriz são a dupla aqui-e-agora do que eles foram ali-e-então. São e não são António e Cleópatra. São o António a ver o mundo pelos olhos da Cleópatra. E vice-versa. Sempre vice-versa. Vice-versa como regra do amor. Vice-versa como regra do teatro. Este espetáculo é ver o mundo através da sensibilidade das almas alheias de António e Cleópatra.”

texto Tiago Rodrigues com citações de António e Cleópatra de William Shakespeare (tradução de Rui Carvalho Homem)
encenação Tiago Rodrigues
cenografia Ângela Rocha
figurinos Ângela Rocha, Magda Bizarro
desenho de luz Nuno Meira
operação de som Sérgio Milhano (PontoZurca)
música excertos da banda sonora do filme Cleopatra (1963), composição de Alex North

interpretação Sofia Dias e Vítor Roriz

antonioecleopatra

ESTA É A MINHA CIDADE E EU QUERO VIVER NELA

ESTA É A MINHA CIDADE E EU QUERO VIVER NELA
criação Teatro do Vestido
direção, texto e cocriação Joana Craveiro

9 – 24 set
qua – sáb, 21h30
nas ruas de Lisboa

produção Teatro do Vestido
coprodução TNDM II
M/12

Geografias poéticas da cidade.
____________
Um manifesto poético, construído a partir das vivências do quotidiano e dos espaços da cidade. Esta é a minha cidade e eu quero viver nela é um projeto de intervenção e de questionamento que se propõe (re)descobrir Lisboa, depois de já ter mergulhado nos universos de Viseu e do Porto.

Após uma pesquisa intensiva, os intérpretes conduzem os espectadores pelas ruas, desvendando as suas memórias, ao mesmo tempo que constroem uma cidade nova. Tudo para que venham a desejar viver nela também. Uma experiência invulgar acerca da vida nas cidades.

esta-e-a-minha-cidade-e-eu-quero-viver-nela_pontozurca

DOS BICHOS | Teatro O Bando

// DOS BICHOS (2016)

Convento de S. Francisco | 8 e 9 de ABRIL (SESSÕES ESGOTADAS) 10 de ABRIL (SESSÃO EXTRA) | COIMBRA

Nesta revisitação da peça Dos Bichos, baseada na obra com o mesmo nome de Miguel Torga, O Bando conduz os espectadores à descoberta de vários itinerários dentro do Convento. Esta peça, criada em residência propositadamente para a abertura oficial do Convento São Francisco conta com a participação da Banda Filarmónica de Taveiro, 2 atores profissionais de Coimbra e ainda vários figurantes também locais. Trata-se de envolver a comunidade na revisitação de uma peça que O Bando apresentou em 1990, no mesmo espaço, constituindo ainda hoje um marco artístico na memória de quem experenciou. Desta feita, não se espera menos…

texto BICHOS de MIGUEL TORGA dramaturgia e encenação JOÃO BRITES
música LUÍS PEDRO FARO e JORGE SALGUEIRO espaço cénico RUI FRANCISCO e JOÃO BRITES
figurinos e adereços CLARA BENTO e FÁTIMA SANTOS desenho de luz JOÃO CACHULO desenho de som SÉRGIO MILHANO   (PontoZurca)                  

elenco BIBI GOMESCÂNDIDO FERREIRAFÁTIMA SANTOS, F. PEDRO OLIVEIRAGUILHERME NORONHA,HORÁCIO MANUELJOÃO NECAJOÃO SEBASTIÃOJULIANA PINHOPAULA SÓ, PEDRO LAMAS, POMPEU JOSÉRAUL ATALAIARITA BRITO e RUI COSTA

participação BANDA FILARMÓNICA UNIÃO TAVEIRENSE maestro JOÃO PAULO FERNANDES 

O MEU VIZINHO É JUDEU | com Bruno Nogueira e Miguel Guilherme

O Meu Vizinho É Judeu
Estreia 25 Novembro | Casino Estoril

“Num prédio, vivem vários casais sem filhos, algumas pessoas sós, poucas famílias, uns entram pelas Escadas A e outros pelas Escadas B. A ignorância encontra a curiosidade, quando um vizinho ingénuo, atordoado pela obsessão da sua mulher pelo povo Judeu, interpela o  vizinho de baixo questionando a sua identidade.

Bruno Nogueira interpreta um homem sob a influência do poder invisível das mulheres. Desesperadamente, procura satisfazer a sua mulher trazendo-lhe respostas curtas para perguntas demasiado grandes.

Miguel Guilherme carrega a nota biográfica do autor, um judeu ateu massacrado pelos preconceitos daqueles que vêm na diferença o perigo e a ameaça.

Com muito humor abrem-se as portas à discussão sobre questões sérias, e as personagens riem-se, também elas, mascarando a dor, do desencontro e das pequenas contradições que as tornam mais humanas.  Jean-Claube Grumberg, alfaiate, actor e escritor francês,  é autor de cerca de 50 obras dramatúrgicas, argumentista dos realizadores François Truffaut e Costa-Gravas, e premiado por diversas vezes com o Prix Moliére, Grand Prix da Academie Française, entre outros.

Ciclicamente, voltam os tempos de crise de ideiais e de valores propícios ao ressurgir do conflito “nós e os outros”, despertando o impulso primário e reactivo a situações alimentadas pelo medo e a ansiedade. O autor, desconstrói o preconceito com um humor caustico, surpreendendo o espectador com um volte de face tão absurdo quanto a realidade actual.

Em O Meu Vizinho é Judeu encontramos dois vizinhos anónimos numa grande cidade, entre a escada e a porta da rua, e assistimos ao crescer de um conflito antigo que nos faz rir do medo sem medo, e recuperar alguma fé na humanidade.”

Texto: Jean-Claube Grumberg | Encenação: Beatriz Batarda | Tradução: Diogo Dória | Cenário: Wayne dos Santos | Figurinos: José António Tenente | Desenho de Luz: Nuno Meira | Sonoplastia: Sérgio Milhano (PontoZurca) | Produção: Força de Produção | Interpretação: BRUNO NOGUEIRA e  MIGUEL GUILHERME

Omeuvizinhoejudeu_PontoZurca

Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo de Lisboa telf: 218807030 www.centroarbitragemlisboa.pt