PontoZurca

LATEST NEWS

PROVISIONAL FIGURES | encenação de Marco Martins

Provisional Figures é a denominação dada, em estudos estatísticos, a todos os emigrantes com uma situação indefinida ou provisória presentemente a trabalhar no Reino Unido.

Culminando um processo de dois anos de investigação junto da comunidade portuguesa de Great Yarmouth, Provisional Figures propõe-nos uma reflexão sobre os problemas da identidade e da emigração num contexto urbano fortemente abalado pela crise económica e consequentes convulsões sociais.

Relativamente desconhecida em Portugal, esta emigração teve o seu auge nos anos da crise económica (2009-2014), tendo como destino as grandes fábricas de transformação alimentar (perús e galinhas) instaladas nesta zona do Norfolk inglês tradicionalmente fustigada pelo desemprego. Aproveitando a decadência desta vila costeira, outrora um destino balnear de eleição para os britânicos, as fábricas da região aproveitaram a capacidade de alojamento dos hotéis e campos de caravanas semiabandonados para aqui instalar os seus novos trabalhadores.

Trabalhando em Great Yarmouth com um grupo de nove habitantes de diversas nacionalidades, ao longo de vários meses, Marco Martins constrói um espectáculo baseado nos testemunhos individuais de quem vive de perto este período de incerteza e adaptação, explorando as contradições do comportamento humano e a natureza das relações entre os homens e os outros animais.

25 e 26 Maio | The Drill House, Great Yarmouth, UK Norfolk & Norwich Festival

15 e 16 Junho | Teatro Rivoli, Porto FITEI 2018

28 Junho a 4 Julho | Teatro Maria Matos, Lisboa

Encenação Marco Martins
Produzido por CCTAR – Centro de Criação para o Teatro e Artes de Rua
Intérpretes Ana Moreira (Portugal), Ivan Ammon (Eslovénia), Maria do Carmo Ferreira (Portugal), Pedro Cassimo (Moçambique), Peter Dewar (Inglaterra), Richard Raymond (Inglaterra), Robert Elliot (Inglaterra), Sérgio Cardoso de Pinho (Portugal), Victoria River (Inglaterra)
Conceito e Dramaturgia Marco Martins 
Uma ideia original de Renzo Barsotti
Pesquisa e Documentação Zé Pires
Workshops de Movimento e Teatro Nuno Lopes, Sara Carinhas, Romeu Runa e Victor Hugo Pontes
Assistente de Encenação Rita Quelhas 
Textos Gonçalo M. Tavares e Isabela Figueiredo
Pesquisa Fotográfica André Cepeda, Marco Martins e Sofia Bernardo
Desenho Gráfico Studio Pyramid
Tradução e Legendagem Tradioma, Gab. de Tradução e Interpretação, Lda.
Cenografia Fernando Ribeiro
Desenho de Luz Nuno Meira
Sonoplastia Sérgio Milhano 
Direcção de Produção Sofia Bernardo
Assistente de Produção Paula Coelho

HÁ MÚSICA NA CASA DA CERCA | Concertos ao Pôr do Sol

Há Música na Casa da Cerca é um programa de música desenvolvido pela Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea em parceria com a PontoZurca – editora e produtora discográfica. Realiza-se entre março e setembro em vários espaços da Casa, apresentando uma seleção musical eclética nos formatos – Concertos InvisíveisConcertos ao Pôr-do-Sol e Música nas Exposições.

Entrada Gratuita
Classificação etária: Para todos os públicos
Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea em Almada

CONCERTOS AO PÔR DO SOL
Realizam-se no Parque de Escultura da Casa da Cerca e convidam a disfrutar da bela vista sobre o Tejo acompanhada de música: uma playlist de um convidado; um concerto ao vivo.

26 Maio >> Budda Power Blues
30 Junho >> S. Pedro
28 Julho >> Ana Brandão, Carlos Bica, João Paulo Esteves da Silva e Filipe Bica
25 Agosto >> Kimi Djabaté
29 Setembro >> Tim Tim por Tim Tum

De Maio a Setembro, a partir das 19h até às 24h.

Foto (c) Patricia India Pascal // CARMEN SOUZA Concerto ao Pôr do Sol Agosto 2017

CIA OLGA RORIZ | estreia A Meio da Noite

“Uma homenagem a Ingmar Bergman. A 14 de julho de 1918 nascia Ingmar Bergman. Poucos realizadores conseguiram encontrar profundidade no interior do ser humano. Os seus sonhos cheios de pesadelos foram a base inspiradora de muitos dos seus filmes, nos quais espaço e tempo se desvanecem do real. A impossibilidade de comunicação, a religião e a morte são as temáticas mais obsessivas de Bergman. A meio da noite, sendo um espetáculo que se propõe abordar a temática existencialista do encenador e cineasta Ingmar Bergman, é simultaneamente uma peça sobre o processo de criação numa procura incessante de si próprio e dos outros. Sete intérpretes encontram-se para partilhar as suas pesquisas sobre a obra do realizador e criarem, coletiva ou individualmente, cenas que possam integrar um futuro espetáculo. À volta de uma mesa/ilha, fecham-se nos seus pensamentos, mergulhados nos computadores, nos livros, nos vídeos. Tudo nasce desse huis clos de criação: o som, a luz, as imagens, as ações e contradições, dramas, pesadelos e fantasmas. As camadas de representação acumulam-se, criando tramas dramatúrgicas onde se mistura a mentira com a verdade dos factos. A meio da noite é uma profunda homenagem a Ingmar Bergman, aos atores dos seus filmes e aos intérpretes desta Companhia.”

Olga Roriz

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA
Direcção Olga Roriz
Intérpretes André de Campos, Beatriz Dias, Bruno Alexandre, Bruno Alves, Catarina Câmara, Francisco Rolo, Rita Calçada Bastos

Selecção musical Olga Roriz, João Rapozo e intérpretes
Cenografia Ana Vaz
Figurinos Olga Roriz
Desenho de luz Cristina Piedade
Vídeo Olga Roriz, João Rapozo
Desenho de Som Sérgio Milhano (PontoZurca)
Apoio dramatúrgico Rita Calçada Bastos
Apoio vocal João Henriques

Tradução e elocução em Sueco Birte Lundwall
Assistente de ensaios Ricardo Domingos
Assistente de cenografia e figurinos Rita Osório
Pós-produção áudio e vídeo João Rapozo
Montagem e operação de luz João Chicó (Contrapeso)
Montagem e operação de som PontoZurca
Coproduçao Companhia Olga Roriz, Teatro Nacional São João, Teatro Municipal de Bragança
Apoio de produção Sociedade Portuguesa de Autores, AGEOP, RTP2, TAP, Embaixada de Portugal em Estocolmo
Parceiros Leopardo Filmes, Duplacena, Escola de Medicina Tradicional Chinesa
Inserido no programa da Fundação Ingmar Bergman para as comemorações do centenário do seu nascimento
Agradecimento TNSJ pela cedência de alguns figurinos
Duração aprox. 2h

Foto: Sérgio Claro

JANITA SALOMÉ apresenta “Valsa dos Poetas”

Janita Salomé, compositor, cantautor e experimentalista versátil e multifacetado apresenta o seu novo álbum de originais “Valsa dos Poetas”, com o selo da PontoZurca.

Com uma carreira de mais de quatro décadas, multipremiada, e um vastíssimo repertório, este novo trabalho de Janita Salomé – o décimo quinto da sua discografia, nasce da vontade de prestar homenagem aos muitos poetas e escritores, portugueses e estrangeiros, que povoaram o seu imaginário deixando um legado poético que perdura. Charles Bukowski, José Afonso, José Jorge Letria e Luís Vaz de Camões são alguns dos poetas que deram palavra (e alma) às suas composições.

“Valsa dos Poetas” é composto por 12 temas, nove originais e três reedições. Os arranjos ficaram a cargo dos músicos Filipe Raposo e Mário Delgado que também gravaram no disco, respectivamente, piano, melódica, harmónica e guitarras, banjo, tablas. Participam os músicos António Quintino (contrabaixo), Carlos Miguel(percussão), Miguel Amado (contrabaixo, baixo), Quiné Teles (percussão) e Rúben Alves (acordeão, piano). Conta ainda com a participação especial das cantoras Luanda Cozetti e Catarina Molder.

Direcção Musical
Filipe Raposo e Mário Delgado
Gravação e Mistura
Sérgio Milhano, Estúdio PontoZurca
Masterização
Rui Dias, Estúdio Mister Master

O álbum apresenta uma visão de um mundo próprio, construído de múltiplos matizes e surge com as palavras que se juntam amorosamente às músicas e aos ritmos, à vez, dolentes ou vertiginosos, que o compositor criou inspirado nas cadências que cada poeta emprestou à sua escrita.

O concerto de lançamento terá lugar no Teatro da Trindade, no dia 5 de Junho e será uma oportunidade para apresentar o novo álbum “Valsa dos Poetas” mas também para revisitar temas dos álbuns anteriores como “Em Nome da Rosa”, “Vinho dos Amantes” ou “Cantar ao Sol”.

fotografia de António Laureano

Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo de Lisboa telf: 218807030 www.centroarbitragemlisboa.pt