PontoZurca

LATEST NEWS

RODRIGO AMARANTE | Concerto em Lisboa

Rodrigo Amarante regressa a Portugal em 2022 para dois concertos de apresentação do seu novo álbum “Drama”, sucessor de “Cavalo”, o álbum de estreia a solo que em 2014 viria a consagra-lo, em definitivo, como um dos artistas mais importantes da história da música brasileira.
Rodrigo Amarante marcou profundamente uma geração no seu país enquanto um dos líderes da banda Los Hermanos e como membro fundador do super grupo de samba Orquestra Imperial, ao lado de Seu Jorge ou Moreno Veloso.
Ao reconhecimento no seu país seguiu-o internacional, graças ao projecto Little Joy, que formou com o baterista dos Strokes, a colaborações com Devendra Banhart e à autoria da música de abertura da mundialmente aclamada série televisiva “Narcos”

Festival FADO in A BOX 2022

Em 2020, em pleno confinamento, nasceu o Festival Live in a Box. Durante três dias, através das suas contas de Instagram, artistas lusófonos deram concertos online e chegaram, em direto, a cerca de 8 mil espectadores.

Em 2022, o Live in a Box salta do pequeno ecrã do telemóvel e chega ao Teatro São Luiz em Lisboa, ao Teatro das Figuras em Faro e ao Teatro Municipal de Bragança para voltar a estar perto das pessoas e a transmitir-lhes aquilo de que só a música ao vivo é capaz.

A música lusófona volta a instalar-se num palco físico e promete reunir-se num festival fora da caixa que celebra a união entre a música lusófona e ibérica, em dois concertos diários ao longo de três dias.

BOOM! de Miguel Loureiro estreia no CCB

8, 9 e 10 Abril

Pequeno Auditório do Centro Cultural de Belém, Lisboa

O actor e encenador Miguel Loureiro estreia no palco do Pequeno Auditório do CCB a versão integral de The Milk Train Doesn’t Stop Here Anymore (1963), uma das últimas peças de Tennessee Williams, uma das figuras cimeiras do teatro norte-americano do século XX.

Uma velha senhora (Flora Goforth), rica, doente, a morrer, viciada no álcool e nos medicamentos, hipocondríaca, dita as suas memórias a uma secretária, Blackie, do alto do seu monte, uma villa italiana a sul de Nápoles, na Divina Costiera. É guardada por um capataz (Rudy) com cães ferozes que a protegem do Mundo, depois de um passado agitado, quatro casamentos enterrados.

Um intruso, espécie de Anjo da Morte, o jovem belo Flanders, figura crística de redenção, poeta, criador de móveis, que tem como estranha profissão dar apoio a velhas senhoras ricas que se preparam para morrer. Versado nos mistérios da filosofia hindu, que usa como consolo. Uma amiga, a «Bruxa de Capri», Marquesa Condetti, cúmplice e companhia de Flora, par na excentricidade, que profetiza a vinda do jovem. Dois criados ainda, Simonetta e Giulio, que içam e descem bandeiras da villa da velha senhora.

Cenário e galeria bizarros de uma peça sobre a redenção, o erotismo, o misticismo, a doença e o fim dos caminhos. Os velhos temas. Tudo num quadro de excessivo camp, de estranheza e desajustamento, uma das últimas peças de Tennessee Williams, 1963, que terá sido um flop à estreia. Transposto também em fracasso no cinema, por Elizabeth Taylor e Richard Burton.

fotografias Vitorino Coragem

Autoria Tennessee Williams
Tradução e dramaturgia Miguel Graça
Encenação Miguel Loureiro
Cenário André Murraças
Figurinos Fernando Alvarez
Luzes Daniel Worm
Sonoplastia Sérgio Milhano, PontoZurca
Apoio ao movimento Miguel Pereira
Cabelos Natália Bogalho
Maquilhagem Magali Santana
Mestre de guarda-roupa Rosário Balbi
Executamente da cabeça japonesa Luís Stoffel
Produção executiva Nuno Pratas
Agradecimentos Cândida Murraças, Carlos Avilez, Cristiana Couceiro, João Vasco, Teatro Aberto, Teatro Experimental de Cascais
Interpretação Álvaro Correia, António Ignês, David Almeida, João Gaspar, João Sá Nogueira, Miguel Loureiro e Rita Calçada Bastos

Fotografia (c) TUNA/TNSJ

SELVAGEM Encenação de Marco Martins

Culturgest 25, 26 e 27 Março

Teatro Municipal do Porto 1 e 2 Abril

Teatro Municipal de Bragança 8 e 9 Abril

Teatro Eliseo Nuoro, Sardenha 23 e 24 Abril

Marco Martins propõe em Selvagem uma reflexão sobre o uso da máscara em práticas ritualísticas que, desde tempos imemoriais, marcam coletivamente em vários pontos da Europa momentos cruciais como equinócios e solstícios, integrando personagens como o Homem Selvagem, o Urso, a Cabra ou o Diabo.

Somos cada vez mais uma sociedade de máscaras que se escondem atrás de um mundo virtual. Qual o significado atual de máscara? Como pode a convivência com a máscara sanitária transformar a atividade, o ativismo e a identidade de cada um? Vivemos num quotidiano repleto de avatares, caricaturas, memes, aplicações que permitem transformar rosto e corpo e vários tipos de filtros capazes de esbater ainda mais a linha entre rostos e máscaras. A partir da investigação sobre o significado ancestral da máscara, SELVAGEM mapeará o seu valor como possibilidade identitária, bem como a complexidade inerente à multiplicação e interseção de identidades.

Encenação | Marco Martins

Ideia original | Renzo Barsotti

Texto e Dramaturgia | Marco Martins e Patrícia Portela a partir dos contributos do elenco

Colaboração e Apoio Dramatúrgico | Alexander Gerner, Charles Fréger, Giovanni Carroni, Rita Cabaço, Vânia Rovisco

Com | Andrea Loi, Giuseppe Carai, João Paulo Alves, Luís Meneses, Marco Abbà, Rafael Costa,Riccardo Spanu e Rubens Ortu

Música | Miguel Abras

Cenografia | Fernando Brízio

Projecto, Construção e Montagem Cenográfica | ArtWorks

Desenho de Luz | Nuno Meira

Operação de Luz | Ricardo Campos

Montagem e Operação de Som | Sérgio Milhano

Movimento | Vânia Rovisco

Assistência de Encenação | Rita Quelhas

Pesquisa e Documentação | Zé Pires

Apoio aos Ensaios | Rita Cabaço, Vânia Rovisco

Consultoria | Doina Isfanoni

Imagens | Andreas Bentzon, Benjamim Pereira / Instituto dos Museus e da Conservação,I.P.

Administração Arena Ensemble | Marta Delgado Martins

Assistência à Produção | Mafalda Teles

Apoio à Produção (Bragança) | Luís Manuel Costa

Coordenação de Projecto e Direcção de Produção | Mariana Brandão

Coprodução Culturgest, Teatro Municipal do Porto, Teatro Municipal de Bragança, Rota Clandestina/Câmara Municipal de Setúbal, Teatro di Sardegna e Arena Ensemble

Apoio Artopia

Colaboração Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa

Agradecimentos Alessio Masones, Fernando Tiza, Júlia Almeida e Miguel Rodrigues, Maria Rotar e Teatrul Excelsior, Maurizio Masones, Octávio Marrão, Sòtziu Tenore Nugoresu

Com o apoio financeiro da República Portuguesa – Ministério da Cultura / Direcção Geral das Artes

ALINE FRAZÃO | Álbum UMA MÚSICA ANGOLANA

“Uma Música Angolana” quinto álbum de ALINE FRAZÃO

 
Créditos:
Voz | Aline Frazão
Voz em Baúka | Nástio Mosquito
Voz em Mate | Vitor Santana
Bateria | Marcelo Araújo
Baixo | Mayo
Trompete | Diogo Duque
Piano e Fender Rhodes | Marco Pombinho
Guitarra eléctrica | Aline Frazão
Violão em “Fumo” e “Mate” | Toty Sa’Med
Violão em “Luz Foi” | Aline Frazão
Percussão | Yasmane Santos
Trombone em “Luanda” | Rúben da Luz
Violoncelo em “O Sul” | Susanne Paul
Batucada em “Mate” | Marcelo Araújo
Bombo de Maracatu em “Baúka” | Poliana Tuchia
Glockenspiel em “Mate” | Aline Frazão
Pife em “Baúka” | Diogo Duque
Coros em “Mate” | Aline Frazão, Vitor Santana e Marco Pombinho
 
 
Todas as canções assinadas por Aline Frazão, excepto:
“Batuku”: letra de Brisa Marques, música de João Pires
“Baúka”: letra de Aline Frazão e Nástio Mosquito, música de Aline Frazão
“Fumo”: letra e música de Paulo Flores
“Valsa da Libertação”: poema de Pedro Homem de Melo, música de Ricardo Ribeiro
“O Sul”: poema de Ruy Duarte de Carvalho, música de Aline Frazao
Arranjos | Aline Frazão, Marcelo Araújo, Mayo, Diogo Duque e Marco Pombinho
Produção Musical | Aline Frazão
 
 
Captação e Mistura | Sérgio Milhano, no Estúdio PontoZurca
Gravações adicionais | Hélder Albino
Masterização | Ricardo Garcia
Fotografia de capa | Estelle Valente
Make Up | Cris Severo
Design gráfico | Hilma Sassa
Vídeos e fotografias Making Of | Fradique
Produção Executiva | Aline Frazão
Editoras | Valentim de Carvalho e Flowfish
Booking | Im.Par e Handshake Booking
 
fotografias Fradique

CONCERTO Nº 1 PARA LAURA de Sílvia Real

CONCERTO N.º1 PARA LAURA, de Sílvia Real , coreografia partilhada com Francisco Camacho

ESTREIA 2 a 6 de Fevereiro 2022 | São Luiz Teatro Municipal, Lisboa

18 Fevereiro 2022 | Cine Teatro de Torres Vedras

“Num tempo nocturno de (im)possibilidades, Sílvia Real mergulhou na sua memória de três décadas de repertório artístico, um universo saturado de referências musicais ecléticas, personagens femininas marcantes e figurinos fantasma. Um mergulho íntimo do qual emergiram com renovado fulgor palavras e canções que, outrora familiares, se somam agora a outras palavras e canções, apropriadas por uma banda em (des)construção, para dar voz ao que mais importa pôr em movimento: a empatia, a cooperação, uma ideia viva de revolução.”

fotografias Estelle Valente

FICHA ARTÍSTICA

Direcção Artística e Coreografia | Sílvia Real

Coreografia e Apoio Dramatúrgico | Francisco Camacho 

Interpretação | Beatriz Valentim, Magnum Soares, Sílvia Real e Ana Sofia Sequeira (participação especial)

Direcção Musical | Ana Sofia Sequeira

Assistência Musical | Sérgio Pelágio

Investigação na área dos Direitos Humanos | Simone Longo de Andrade

Apoio Guarda-Roupa (a partir do espólio de figurinos de Ana Teresa Real) | Ainhoa Vidal

Apoio Cénico (a partir de antigos adereços) | Laura Monteiro 

Maquilhagem | Rafael Valentini

Desenho de Luz | Tasso Adamopoulos

Operação de Luz | Paulo Cunha

Desenho de Som | Sérgio Milhano (PontoZurca)

Operação de Som | Pedro Baptista e Sérgio Milhano (PontoZurca)

Direcção de Produção | Sofia Afonso

Produção Executiva | Isabel Machado

Fotografia | Rita Delille, Estelle Valente

Vídeo, Realização e Operação de Legendas | Sofia Afonso 

Design | Carlos Bártolo

Comunicação | Susana Ribeiro Martins

Assessoria de Imprensa | ShowBuzz

Tradução | Catarina Lourenço

Produção | Produções Real Pelágio

Coprodução | São Luiz Teatro Municipal, Câmara Municipal de Castelo Branco e Câmara Municipal de Torres Vedras

AQUILO QUE OUVÍAMOS | Teatro do Vestido

Em cena, de 26 a 30 de Janeiro, no Teatro Carlos Alberto

“Era um tempo em que havia tempo, mesmo que hoje não consigamos perceber de onde viria todo esse tempo: para procurar, para comprar, para conversar, para trocar, para escutar, escutar muito”.

TEXTO E DIRECÇÃO Joana Craveiro
COCRIAÇÃO E INTERPRETAÇÃO Estêvão Antunes, Inês Rosado, Joana Craveiro e Tânia Guerreiro
MÚSICOS CONVIDADOS (COCRIAÇÃO, COMPOSIÇÃO E INTERPRETAÇÃO) Bruno Pinto, Francisco Madureira e Loosers (Guilherme Canhão, José Miguel Rodrigues e Rui Dâmaso)
PARTICIPAÇÃO ESPECIAL Ricardo Jerónimo, Sónia Guerra, Tatiana Damaya
COLABORAÇÃO CRIATIVA Sérgio Hydalgo
CENOGRAFIA Carla Martinez
FIGURINOS Tânia Guerreiro
IMAGEM João Paulo Serafim
VÍDEO DIRECTO João Paulo Serafim, Ricardo Jerónimo, Sónia Guerra, Tatiana Damaya
ILUMINAÇÃO Leocádia Silva
SOM Pedro Baptista, Sérgio Milhano (PontoZurca)
OPERAÇÃO DE SOM Pedro Baptista (PontoZurca)
DIRECÇÃO DE PRODUÇÃO Alaíde Costa
ASSISTÊNCIA Ricardo Jerónimo, Sónia Guerra, Tatiana Damaya
APOIOS Centro Cultural Vila Flor, FX RoadLights, ZDB
COPRODUÇÃO Teatro do Vestido, Teatro Nacional São João, EGEAC – Programação em Espaço Público e São Luiz Teatro Municipal /// Ricardo Jerónimo, Sónia Guerra e Tatiana Damaya participam no projecto no contexto de estágio curricular, ao abrigo de protocolo entre o Teatro do Vestido e a ESAD.CR /// O Teatro do Vestido tem o apoio de República Portuguesa – Cultura | Direcção-Geral das Artes

COMÉDIA DE RUBENA | Leitura Encenada

Leitura Encenada COMÉDIA DE RUBENA de Gil Vicente

Teatro da Trindade | 21 Dezembro

No contexto da passagem de quinhentos exactos anos sobre a criação e primeira apresentação da peça RUBENA (ou COMÉDIA DE RUBENA), de Gil Vicente, o projecto 2021 – RUBENA, DE GIL VICENTE, com direcção artística de Miguel Sopas, propôs-se a criação de um objecto artístico idealizado a partir do conceito de “teatro radiofónico”.

A gravação, já realizada, será editada em suporte digital pela INCM – Imprensa Nacional-Casa da Moeda no primeiro trimestre de 2022. Para já, e não querendo perder a oportunidade de festejar os cinco séculos de um dos textos mais importantes da dramaturgia vicentina, a equipa artística do projecto junta-se em palco, num evento único, para oferecer uma leitura pública da peça com música ao vivo – no que promete ser uma animada festa vicentina com 35 intérpretes em palco!

Direcção artística | Miguel Sopas
Direcção musical | José Peixoto
Actores | Ana Guiomar, Ana Sampaio e Maia, Ana Sofia Paiva, Ana Teresa Santos, André Nunes, Andreia Valles, Carolina Salles, Cristina Cavalinhos, Cucha Carvalheiro, David Pereira Bastos, Elsa Valentim, Fabíola Lebre, Filipa Areosa, Guilherme Gomes, Helder Agapito, Inês Pereira, Joana Cotrim, João Tempera, José Raposo, José Redondo, Marques D’Arede, Miguel Raposo, Miguel Sopas, Nídia Roque, Paula Só, Pedro Filipe Mendes, Rui M. Silva, Rui Neto, Sílvia Figueiredo e Susana Blazer
Músicos | Carlos Guerreiro, José Peixoto, Mário João Santos, Tiago Morais e Sofia Queiroz Orê-ibir
Consultoria dramatúrgica | José Camões
Sonoplastia e operação de som | Sérgio Milhano, PontoZurca
Apoio à luminotecnia | Manuel Abrantes
Ilustração | Susana Carvalhinhos
Direcção de produção | Nuno Pratas/Culturproject
Parceiros: INCM – Imprensa Nacional-Casa da Moeda, CET – Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Teatro da Trindade INATEL
Parceiro Institucional República: Portuguesa – Ministério da Cultura
Promoção: Blackbox Lighting C.R.L.
fotografias Vitorino Coragem

Há Música na Casa da Cerca | Lisboa String Trio

Esta é a 7.ª edição do programa Há Música na Casa da Cerca, desenvolvido pela Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea em parceria com a PontoZurca – editora e produtora discográfica. Realiza-se anualmente em vários espaços da Casa, apresentando uma seleção musical eclética nos formatos Música nas Exposições e Concertos ao Pôr do Sol.

20 Março | BERNARDO COUTO & MARTÍN SUED
Apresentação da programação 2021

transmissão concerto (facebook do Público)

MÚSICA NAS EXPOSIÇÕES
Formato que propõe a apresentação de composições musicais que interagem com as obras de uma exposição ou com o seu espaço envolvente.
No ano em que celebramos os 20 anos d’O Chão das Artes, destacamos como mote para este diálogo a exposição que conta a história deste Jardim Botânico e as espécies vegetais que dele fazem parte.

18 Maio | BRAIMA GALISSÁ
Dia Internacional dos Museus / Dia Internacional do Fascínio das Plantas

transmissão concerto vídeo 23 Maio | 17h00 (facebook do Público)

CONCERTOS AO PÔR DO SOL
Acontecem habitualmente no Parque de Escultura e convidam a desfrutar, ao final do dia, da bela vista sobre o Tejo acompanhada de música.

19 Junho | VICTOR ZAMORA Y SEXTETO CUBA APRESENTAM GRACÍAS, COMPAY!
transmissão concerto vídeo 27 Junho | 18h00 (facebook do Público)

26 Junho | LULA PENA

transmissão concerto vídeo 3 Julho | 18h00 (facebook do Público)

31 Julho | AMAURA

transmissão concerto vídeo 7 Agosto | 18h00 (facebook do Público)

28 Agosto | LISBOA STRING TRIO

transmissão concerto vídeo 4 Setembro | 18h00 (facebook do Público)

Ficha Técnica

Áudio | Sérgio Milhano / Pedro Baptista
Vídeo Filmagem | João Solano / Catarina Lopes

Edição e Pós-Produção Vídeo | João Solano
Parceiro | Público

25 Setembro | FRED

Os moldes efetivos de implementação da programação de 2021 serão anunciados em detalhe conforme a evolução da situação pandémica e respetivos planos de contingência em vigor a cada momento. No entanto, qualquer que seja o contexto vivido no decorrer do ano, pretende-se exponenciar o alcance de cada evento muito além do momento da sua realização, independentemente da possibilidade de acolhimento presencial de públicos. Os concertos terão registo audiovisual e serão transmitidos online para livre acesso de todos.

FESTIVAL JazzMATAzz | 3 e 4 Julho Mata dos Marrazes, Leiria

JazzMATAzz _2021 | 3 e 4 JULHO
Mata dos Marrazes | Rua do Viveiro
programa da 3ª edição do jazzMATAzz | Festival de Música da Mata dos Marrazes

3 Julho
21h30 | Diogo Alexandre Bock Ensemble
22H30 | Maria João Ogre Electric

4 Julho
21h30 | Jeffery Davis Quinteto
22h30 | TGB

* um evento da União das Freguesias de Marrazes e Barosa, com o apoio do Município de Leiria e da Antena 2

 

Há Música na Casa da Cerca | Victor Zamora Y Sexteto Cuba Apresentam Gracías, Compay!

Esta é a 7.ª edição do programa Há Música na Casa da Cerca, desenvolvido pela Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea em parceria com a PontoZurca – editora e produtora discográfica. Realiza-se anualmente em vários espaços da Casa, apresentando uma seleção musical eclética nos formatos Música nas Exposições e Concertos ao Pôr do Sol.

20 Março | BERNARDO COUTO & MARTÍN SUED
Apresentação da programação 2021

transmissão concerto vídeo (facebook do Público)

MÚSICA NAS EXPOSIÇÕES
Formato que propõe a apresentação de composições musicais que interagem com as obras de uma exposição ou com o seu espaço envolvente.
No ano em que celebramos os 20 anos d’O Chão das Artes, destacamos como mote para este diálogo a exposição que conta a história deste Jardim Botânico e as espécies vegetais que dele fazem parte.

18 Maio | BRAIMA GALISSÁ
Dia Internacional dos Museus / Dia Internacional do Fascínio das Plantas

transmissão concerto vídeo 23 Maio | 17h00 (facebook do Público)

CONCERTOS AO PÔR DO SOL
Acontecem habitualmente no Parque de Escultura e convidam a desfrutar, ao final do dia, da bela vista sobre o Tejo acompanhada de música.

19 Junho | VICTOR ZAMORA Y SEXTETO CUBA APRESENTAM GRACÍAS, COMPAY!
transmissão concerto vídeo 27 Junho | 18h00 (facebook do Público)

Ficha Técnica
Áudio | Sérgio Milhano
Vídeo | Hugo Sousa/Dado Nunes
Parceiro | Público

26 Junho | LULA PENA

>> transmissão concerto vídeo 3 Julho | 18h00 (facebook do Público)

31 Julho | AMAURA

28 Agosto | LISBOA STRING TRIO

25 Setembro | FRED

Os moldes efetivos de implementação da programação de 2021 serão anunciados em detalhe conforme a evolução da situação pandémica e respetivos planos de contingência em vigor a cada momento. No entanto, qualquer que seja o contexto vivido no decorrer do ano, pretende-se exponenciar o alcance de cada evento muito além do momento da sua realização, independentemente da possibilidade de acolhimento presencial de públicos. Os concertos terão registo audiovisual e serão transmitidos online para livre acesso de todos.

HÁ MÚSICA NA CASA DA CERCA 2021 | Braima Galissá

Esta é a 7.ª edição do programa Há Música na Casa da Cerca, desenvolvido pela Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea em parceria com a PontoZurca – editora e produtora discográfica. Realiza-se anualmente em vários espaços da Casa, apresentando uma seleção musical eclética nos formatos Música nas Exposições e Concertos ao Pôr do Sol.

20 Março | BERNARDO COUTO & MARTÍN SUED
Apresentação da programação 2021

transmissão concerto vídeo (facebook do Público)

MÚSICA NAS EXPOSIÇÕES
Formato que propõe a apresentação de composições musicais que interagem com as obras de uma exposição ou com o seu espaço envolvente.
No ano em que celebramos os 20 anos d’O Chão das Artes, destacamos como mote para este diálogo a exposição que conta a história deste Jardim Botânico e as espécies vegetais que dele fazem parte.

18 Maio | BRAIMA GALISSÁ
Dia Internacional dos Museus / Dia Internacional do Fascínio das Plantas

transmissão concerto vídeo 23 Maio | 17h00 (facebook do Público)

Ficha Técnica
Áudio | Sérgio Milhano/Pedro Baptista
Vídeo | Hugo Sousa/Rui Gaiola
Parceiro | Público

CONCERTOS AO PÔR DO SOL
Acontecem habitualmente no Parque de Escultura e convidam a desfrutar, ao final do dia, da bela vista sobre o Tejo acompanhada de música.

19 Junho | VICTOR ZAMORA Y SEXTETO CUBA APRESENTAM GRACÍAS, COMPAY!

>> transmissão concerto vídeo 27 Junho | 18h00 (facebook do Público)

26 Junho | LULA PENA

>> transmissão concerto vídeo 3 Julho | 18h00 (facebook do Público)

31 Julho | AMAURA

28 Agosto | LISBOA STRING TRIO

25 Setembro | FRED

Os moldes efetivos de implementação da programação de 2021 serão anunciados em detalhe conforme a evolução da situação pandémica e respetivos planos de contingência em vigor a cada momento. No entanto, qualquer que seja o contexto vivido no decorrer do ano, pretende-se exponenciar o alcance de cada evento muito além do momento da sua realização, independentemente da possibilidade de acolhimento presencial de públicos. Os concertos terão registo audiovisual e serão transmitidos online para livre acesso de todos.

Cia OLGA RORIZ estreia SEIS MESES DEPOIS

Teatro Nacional D. Maria II
18, 19 e 20 de Setembro

Direcção Artística | Olga Roriz

Bailarinos | André De Campos; Beatriz Dias; Bruno Alves; Catarina Câmara; Francisco Rolo; Marta Lobato Faria; Yonel Serrano

Banda Sonora | João Rapozo
Selecção Musical | João Rapozo, Olga Roriz
Cenografia e Figurinos | Ana Vaz, Olga Roriz
Desenho de Luz | Cristina Piedade
Vídeo | João Rapozo
Captação e Pós-Produção Vídeo | João Rapozo
Montagem e Operação de Luz e Vídeo | João Chicó, Contrapeso
Montagem e Operação de Som | Sérgio Milhano, PontoZurca
Assistência de Cenografia | Daniela Cardante
Assistência de Figurinos | Ana Sales
Estagiárias Assistentes de Ensaios | Ana Silva, Andreia Alpuim
Produção | António Quadros Ferro
Gestão | Magda Bull
Formação e Residências | Lina Duarte

SINOPSE
Caminhamos de intemporalidade em intemporalidade, num espaço celestial entre telas de cinema.
A resiliência dos corpos de mãos dadas recupera os lugares ao longe, num presente que se escapa por entre os pés.
Seis meses depois uma entropia paira em todas as partículas. Tudo congelado!
Já morremos, ou iremos morrer. Seremos breves como o primeiro sopro que engolimos à nascença.
Levitamos ou confundimo-nos com as raízes de florestas densas. Não importa onde estamos, se no ar ou no mar, as moléculas continuam perdidas.
Queremos dizer o gesto entre cores fortes, clarões e escuridão. Queremos rasgar as paredes que nos separam e projetar-nos num campo de papoilas a perder de vista, sem dimensão, imensurável, como naquele sonho onde nenhum de nós quis acordar.
Podemos criar o apocalipse, fazer de Autópsia o único lugar habitável do planeta e em 1, 2, 3 quantos, avistar a onda gigante subir à grua mais alta e ficar ali para sempre no isolamento da memória. Adeus sistema solar.
Em 37 horas, 4 minutos e 12 segundos a Terra irá colidir com Júpiter. E lá se vai o microcosmos e o macrocosmos, o átomo, a molécula, os protões e os neutrões. Lá se vai a física quântica a epigenética e mais os rebuçados do Dr. Bayar. Lá se vão os genes homeóticos, a medicina ortomolecular e as radiações eletromagnéticas.
Não haverá Chakra que nos valha nem coerência que nos salve.
Não haverá chave genética que nos abra mais porta nenhuma.
Adeus humanidade.

Olga Roriz | 23 Nov. 2019

FESTIVAL JAZZ MATAzz | 4 e 5 Julho Mata dos Marrazes, Leiria

JAzzMATAzz _2020 4 e 5 JULHO
Mata dos Marrazes | Rua do Viveiro
programa da 2ª edição do jazzMATAzz – festival de música da Mata dos Marrazes

4 julho
21h30 – R’B&MR.SC
22H30 – Lokomotiv

5 julho
21h30 – André Fernandes “3 para 3”
22h30 – Eduardo Cardinho “In Search of Light”

+ masterclass livestreaming com Alexandre Frazão, Mário Delgado e Sérgio Carolino

* com o apoio da Câmara Municipal de Leiria| Município de Leiria e Antena 2

Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo de Lisboa telf: 218807030 www.centroarbitragemlisboa.pt PONTOZURCA 2009